VEJA OS PRODUTOS E NOVOS PREÇOS DAS CESTAS BÁSICAS DA ASAEL

As sacolas econômicas podem ser retiradas no sindicato

As sacolas econômicas podem ser retiradas no sindicato



O Sindivigilantes do Sul tem mais de cem convênios e benefícios para os sócios do sindicato. Um deles é o das cestas básicas da Asael, que oferece seis tipos de sacolas econômicas de alimentos e mais a sacola de limpeza, com melhores preços que nos supermercados.

As compras podem ser feitas com desconto em folha e retiradas no sindicato,  Veja a relação de produtos e os novos preços abaixo. Mais informações: (51) 3224-4545 ou 3225-5070

SACOLA DE LIMPEZA
04 rolos de papel higiênico
03 sabonetes de 90 Gr
01 desinfetante 2L ou 01 Amaciante 2L
01 creme dental de 70 Gr
01 detergente líquido de 500 ml
01 Barra de Sabão Azul de 200 Gr
01 Cx de sabão em pó de 1 Kg
01 Pacote de Bom Bril
01 Alvejante
VALOR: R$ 30,00

SACOLA ECONÔMICA 1
05 kg de arroz tipo 1
05 kg farinha de trigo especial
04 kg açúcar refinado
02 kg de feijão preto
01 pct café 250 gr Diana
01 pct de bolacha sortida
01 pct de massa com ovos 500 gr
01 pct de achocolatado
01 lata de óleo de soja
01 kg de sal refinado
01 pct de polentinha
VALOR: R$ 88,00

SACOLA ECONÔMICA 2
05 kg de arroz tipo 1
03 kg de farinha de trigo especial
04 kg de açúcar refinado
02 kg de feijão preto
02 latas de óleo de soja
01 pct de massa com ovos 500 gr spaghetti
01 pct de massa com ovos 500 gr ninho
01 pct de café 250 gr
01 kg de sal refinado
01 extrato de tomate 340 gr
01 pct bolacha sortida de 500 gr
01 pct de farinha de mandioca de 500 gr
1 pct de polentina 500 gr
1 pct de achocolatado
1 pote de schmier 400 gr
1 Pct. mistura para Bolo
VALOR: R$ 106,00

SACOLA ECONÔMICA 3
10 KG de arroz tipo 1
05 kg de farinha de trigo tipo especial
05 kg de açúcar refinado
04 latas de óleo de soja
02 kg de feijão preto
01 pct de massa com ovos 500 gr ninho
01 pct de massa com ovos 500 gr spaghetti
01 Pacore de bolacha sortida
01 pct de bolacha Maria ou salgada (conforme disponível)
01 kg de sal refinado
01 extrato de tomate 340 gr
01 gelatina
01 pct de polentina
½ kg de farinha de mandioca
01 pct de café Melita 250 gr
VALOR: 145,00

SACOLA TIPO 3B
10 kg arroz tipo 1
02 kg de farinha de trigo especial
04 kg de açúcar refinado
04 latas de óleo de soja
02 kg de feijão
01 pct de massa ninho com ovos
01 pct de massa spaghetti c/ ovos
01 pct de bolacha Maria ou sortida
01 kg de sal ou pote de tempero
01 extrato de tomate de 340 gr
01 gelatina
01 pct de polentina
01 pct de café Melita 250 gr.
½ kg de farinha de mandioca
VALOR: R$  130,00

SACOLA ESPECIAL
10 kg de arroz tipo 1
05 kg farinha de trigo tipo especial
07 kg de açúcar refinado
04 latas de óleo de soja
02 kg de feijão preto
01 pct de massa com ovos ninho
01 pct de massa com ovos parafuso
01 pct de bolacha Maria
01 kg de sal refinado
01 extrato de tomate 340 gr
01 pote de schmier 400 gr
01 gelatina
02 pacotes de café Melita 250 gr.
01 pct de polentina
01 lt de ervilha
½ kg de erva mate
½ kg de farinha de mandioca
01 pct de suco
VALOR: R$ 160,00

EMPRESAS SUSPENDEM REPASSES COMO RETALIAÇÃO CONTRA O SINDICATO

Dias: sindicato não vai se intimidar e nem ceder por causa de represálias como essa

Dias: sindicato não vai se intimidar e nem ceder por causa de represálias como essa



A MD e a Rudder, sem avisar nada, suspenderam os repasses do mês ao Sindivigilantes das mensalidades de sócios, das cotas e convênios. É uma retaliação dos patrões porque o sindicato não aceita a convenção coletiva de trabalho como eles querem, sem reajuste nenhum., nem mesmo a reposição da inflação (4,30%). Até agora, confirmou-se que apenas essas duas não fizeram a transferência dos valores à entidade,  mas está sendo verificado se outras empresas adotaram a mesma atitude.

“Se os patrões pensam que com essa represália vão nos intimidar e forçar o sindicato a ceder estão muito enganados, não vamos nos dobrar por uma proposta inaceitável, que a categoria inclusive recusou nas assembleias”, disse o presidente Loreni Dias. “Com isso eles só vão conseguir provocar mais indignação na categoria contra as empresas”, completou.

A assessoria jurídica do sindicato já foi acionada para tomar medidas legais contra a truculência da MD e Rudder. Os maiores prejudicados, na verdade, são os trabalhadores das empresas, que ficam sem poder usar o cartão e os convênios do sindicato que muitos precisam. Alguns são até essenciais,  como as cestas básicas, o vale-gás, os convênios com clínicas médicas e o cartão de crédito.

Tudo isso só está acontecendo porque os empresários estão intransigentes. Desde a primeira reunião de negociação, em janeiro (antes da data-base, 1º de fevereiro, e antes da pandemia), o sindicato patronal (Sindesp) vem tentando impor na marra essa proposta que não repõe nem a inflação. Na mediação na Justiça do Trabalho, que foi encerrada sem acordo, tiveram até o peito de propor uma redução de 12% dos salários.

Os patrões dizem que não oferecem reajuste para evitar demissões, mas também NÃO DÃO NENHUMA GARANTIA DE MANUTENÇÃO DOS EMPREGOS, “Vão demitir do mesmo jeito, se não tivessem essa intenção pelo menos dariam alguma garantia dos empregos”, disse Dias. A direção do sindicato está analisando a situação, vendo alternativas, enquanto a assessoria jurídica encaminha suas providências.

SEIS SINDICATOS ASSINARAM DENÚNCIA AO MPT CONTRA EMPRESAS E SINDESP

MPT logo



Com a assinatura dos presidentes de seis sindicatos de vigilantes do Rio Grande do sul, foi protocolada no MInistério Público do Trabalho (MPT), nesta quinta-feira (06), a denúncia contra as empresas Rudder, Epavi e a entidade patronal (Sindesp). Elas estão pressionando seus trabalhadores a concordarem com um suposto acordo coletivo sem reajuste nenhum, além de conduta antissindical. Assinam o documento o Sindivigilantes do Sul e mais os sindicatos de São Leopoldo, Pelotas, Uruguaiana, Alegrete e Alto Uruguai.

A denúncia decorre das mensagens enviadas por essas empresas aos vigilantes, nas quais mencionam a possibilidade de demissões, cortes dos adicionais de risco, de uniforme e de alimentação, para intimidar os trabalhadores e forçá-los a votar num questionário se aceitam ou não tal acordo, que seria firmado por essas empresas com o sindicato.  Os trabalhadores devem se identificar ao responder – imaginem quem vai ser contra. 

O sindicato, inclusive, recebeu denúncias de que os vigilantes da Epavi não estão conseguindo acessar e receber o contracheque online se não votarem antes nessa pesquisa.

Além disso, as empresas e o Sindesp tentam jogar para os sindicatos a responsabilidade por não ter havido convenção coletiva esse ano, ainda. Mas nenhum destes sindicatos e, ao que se saiba, nenhum outro sindicato do Rio Grande do Sul assinou convenção, todos pelo mesmo motivo: a intransigência das empresas, que não querem nem sequer repor as perdas inflacionárias (4,30%). 

“A cada rodada de negociação os representantes do Sindesp inventavam uma desculpa para apresentar propostas sem reajuste nenhum, antes mesmo da pandemia começar”, afirmou o o presidente do Sindiviglantes doSul, Loreni Dias.

“Para completar, chegaram a propor a redução de 12% dos salário, quando aconteceu a mediação da Justiça Trabalhista, e depois inventaram uma briga com o Ministério Público do Trabalho, por causa do jovem aprendiz, que acabou sendo encerrada, por causa disso, pelo desembargador Francisco Rossal, fizeram de tudo para melar a convenção”, acrescentou.

Segundo ele, esse questionário das empresas não tem validade nenhuma, pois quem tem legitimidade para representar e ouvir os trabalhadores são os sindicatos. E os vigilantes foram claros nas assembleias realizadas, ao decidirem não abrir mão do reajuste dos salários. “Esperamos uma atitude firme do Ministério Público contra esse comportamento inaceitável dos patrões de tentarem forçar os vigilantes a aceitar o que é inaceitável”, concluiu o presidente. 

 

JUSTIÇA ACOLHE RECURSO DO SINDICATO E ANULA SENTENÇA NO PROCESSO DA EPAVI, DETERMINANDO QUE SEJA REALIZADO NOVO JULGAMENTO

Decisão dos desembargadores da 8ª Turma do TRT4 foi unânime

Decisão dos desembargadores da 8ª Turma do TRT4 foi unânime



Para desespero dos traíras que torcem contra o sindicato e comemoraram a  sentença favorável à empresa, os desembargadores da 8ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho (TRT4) acolheram, por unanimidade, o recurso da assessoria jurídica do Sindivigilantes do Sul e anularam a decisão do juiz Alcide Otto Flinerbusch, da 3ª Vara do Trabalho, no processo coletivo contra a Epavi.

 Agora, o processo deve voltar à instância de origem para análise das provas, dos argumentos, de todos os pedidos formulados pelo Sindicato e uma nova sentença do juiz. O relator, desembargador Luiz Alberto de Vargas, anotou que o juiz sequer examinou os documentos apresentados pelo sindicato, ao considerar improcedente a ação que reivindica da empresa o cumprimento da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), bem como que o tempo de deslocamento para a realização do curso de reciclagem na escola da Epavi, em Passo Fundo seja considerado tempo à disposição e seja pago como horas extras.

 Também são requeridos domingos e feriados, intervalo mínimo de 11 horas entre uma jornada e outra, entre outros itens. “Não havendo qualquer análise acerca das provas e teses ventiladas pelas partes, é inegável concluir que as questões suscitadas sequer foram examinadas, não havendo pronunciamento do Juízo de origem sobre todos os pedidos, deixando de esclarecer todos os aspectos que foram apontados”, diz o parecer do relator.

Assim, conclui o documento, “acolhe-se a preliminar arguida pelo autor, para declarar a nulidade do julgado por negativa de prestação jurisdicional, determinando-se o retorno dos autos para nova decisão, com a análise de todos os pedidos formulados na inicial com fundamento na lei e nas teses referentes à matéria fática, restando prejudicado o julgamento dos demais tópicos”.

Segundo o advogado Maurício Vieira da Silva, que atua no processo, a decisão foi bem importante para a categoria e é um tapa na cara dos opositores do sindicato que comemoraram, inicialmente, a sentença de improcedência que favorecia a empresa. Com esse novo julgamento, ele acredita que virá uma decisão favorável a categoria.

“Podem chorar os aliados dos patrões, pois o nosso jurídico foi efetivo, como costuma ser, e anulou a sentença de um processo que é aguardado com muita ansiedade pelos trabalhadores e trabalhadoras”, disse o presidente do sindicato, Loreni Dias. “Vamos continuar lutando, com o nosso jurídico, para que a justiça seja feita e os vigilantes recebam o que é deles de direito”, completou Dias.

JUSTIÇA DO TRABALHO MARCA AUDIÊNCIA DE MEDIAÇÃO DO SINDICATO E PATRONAL PARA DIA 09

5ª Turma do TRT4 manteve sentença de primeiro grau

5ª Turma do TRT4 manteve sentença de primeiro grau



A Justiça do Trabalho aceitou o pedido do Sindivigilantes do Sul de fazer a mediação da negociação do sindicato com os empresários do setor, representados pelo Sindicato das Empresas de Segurança Privada (Sindesp). A primeira audiência foi marcada para o dia 09 de junho, próxima terça-feira, às 10 horas, por videoconferência.

Essa negociação chegou num impasse, porque a entidade patronal quer forçar o sindicato a assinar uma proposta de Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) que já foi recusada pelos vigilantes nas assembleias. A proposta das empresas não prevê índice de reajuste nenhum, nem sequer a reposição da inflação, que chegou a 4,30% (INPC) na data-base, em 1º de fevereiro.

Os empresários querem pagar apenas o “prêmio de assiduidade”, um abono de cerca de 100 reais por mês, para quem tiver no máximo duas faltas ao trabalho no ano, sem repercussão sobre o salário e demais valores da folha de pagamento. O salário-base e as cláusulas remuneratórias, como periculosidade e adicional de uniforme, continuariam todas com os mesmos valores atuais. Para o vale-alimentação, oferecem R$ 21,00. 

Mas, desde que a categoria decidiu nas assembleias, por unanimidade, que não aceita essa proposta, não houve mais avanço nenhum, o Sindesp manteve sempre a mesma proposta e não aconteceram mais reuniões de negociação.  Por isso, a assessoria jurídica do sindicato encaminhou um pedido de mediação à Justiça do Trabalho, que agora respondeu e marcou a primeira audiência para a próxima semana.

CAMPANHA DE DOAÇÕES DE AGASALHOS E ALIMENTOS

Creche Três Corações, na Vila Bom Jesus, tem sido uma das entidades beneficiadas

Creche Três Corações, na Vila Bom Jesus, tem sido uma das entidades beneficiadas



Diante da situação gravíssima que o País atravessa, devido à pandemia do novo coronavírus, aumentam as dificuldades das pessoas mais carentes e também de quem não tem trabalho, com a suspensão de várias atividades econômicas.

Há, inclusive, famílias de vigilantes precisando muito de ajuda, até mesmo para sua alimentação.

Por isso, o sindicato está lançando a Campanha do Agasalho desse ano, já que o inverno está logo aí, e também uma campanha de doação de alimentos para serem distribuídos a entidades assistenciais e vigilantes que estejam precisando desse apoio.

A creche Três Corações, na Vila Bom Jesus, por exemplo, foi beneficiada pelas campanhas dos últimos anos.

Tanto as roupas, limpas e em condições de uso, como os alimentos não-perecíveis podem ser entregues diretamente no sindicato, que está funcionando em horário especial, das 07h30 às 14 horas, na Galeria Santa Catarina, Rua Voluntários da Pátria, 595, 5º andar, salas 501 e 502.

Além da doação de alimentos avulsos, quem quiser e tiver condições também pode doar cestas básicas através dos convênios do sindicato, com desconto em folha.

É hora da categoria demonstrar, mais uma vez, sua solidariedade e mobilização em favor das pessoas mais necessitadas de agasalhos e alimentos. Participe dessa campanha, toda doação é bem-vinda.

 

VEJA OS PRODUTOS E PREÇOS ATUALIZADOS DAS CESTAS BÁSICAS PARA ASSOCIADOS (AS)

As sacolas econômicas podem ser retiradas no sindicato

As sacolas econômicas podem ser retiradas no sindicato



Divulgamos abaixo as opções de cesta básica em promoção para os associados (as), com os preços atualizados. As compras podem ser feitas com desconto em folha. Para mais informações ligue para o sindicato: (51) 3224-4545 ou 3225-5070 (Whatsapp).

Confira os produtos e valores.

1) SACOLA ECONÔMICA ASAEL
Faça seu pedido de segunda a quarta-feira e retire na sede do sindicato quinta-feira, a partir das 14 horas. Ou, a qualquer dia da semana, diretamente na sede do sindicato para a retirada em Sapucaia do Sul e Alvorada.

SACOLA DE LIMPEZA ASAEL – PROMOÇÃO
04 rolos de papel higiênico
03 sabonetes de 90 Gr..
01 desinfetante 2L ou 1 Amaciante 2L
01 creme dental de 70 Gr..
01 detergente líquido de 500 ml
01 Barra de Sabão Azul de 200 Gr..
01 Cx de sabão em pó de 1 Kg
01 Pacote de Bom Bril
01 Alvejante

– Valor: R$ 30,00

SACOLA ECONÔMICA 1- PROMOÇÃO
05 kg de arroz tipo 1
05 kg farinha de trigo especial
04 kg açúcar refinado
02 kg de feijão preto
01 pct café 250 gr.. Diana
01 pct de bolacha sortida
01 pct de massa com ovos 500 gr..
01 pct de achocolatado
01 lata de óleo de soja
01 kg de sal refinado
01 pct de polentina

– Valor: R$ 75,00

SACOLA ECONÔMICA 2 – PROMOÇÃO
05 kg de arroz tipo 1
05 kg de farinha de trigo especial
04 kg de açúcar refinado
02 kg de feijão preto
02 latas de óleo de soja
01 pct de massa com ovos 500 gr.. spaghetti
01 pct de massa com ovos 500 gr.. ninho
01 pct de café 250 gr..
½ kg de erva mate
01 kg de sal refinado
01 extrato de tomate 140 gr..
01 pct bolacha sortida de 500 gr..
01 pct de farinha de mandioca de 500 gr..
1 pct de polentina 500 gr..
1 pct de achocolatado
1 pote de schmier 400 gr..

– Valor: R$ 88,00

SACOLA ECONÔMICA 3 – PROMOÇÃO
10 KG de arroz tipo 1
05 kg de farinha de trigo tipo especial
05 kg de açúcar refinado
04 latas de óleo de soja
02 kg de feijão preto
01 pct de massa com ovos 500 gr.. ninho
01 pct de massa com ovos 500 gr.. spaghetti
01 pct de bolacha Maria ou salgada (conforme disponível)
01 kg de sal refinado
01 extrato de tomate 130 gr..
01 gelatina
01 pct de polentina
½ kg de farinha de mandioca
01 pct de café Melita 250 gr..

– Valor: 126,00

PROMOÇÃO – SACOLA TIPO 3B
10 kg arroz tipo 1
02 kg de farinha de trigo especial
04 kg de açúcar refinado
04 latas de óleo de soja
02 kg de feijão
01 pct de massa ninho com ovos
01 pct de massa spaghetti c/ ovos
01 pct de bolacha Maria ou sortida
01 kg de sal ou pote de tempero
01 extrato de tomate de 130 gr..
01 gelatina
01 pct de polentina
01 pct de café Melita 250 gr…
½ kg de farinha de mandioca

– Valor: R$ 110,00

SACOLA ESPECIAL – PROMOÇÃO
10 kg de arroz tipo 1
05 kg farinha de trigo tipo especial
07 kg de açúcar refinado
04 latas de óleo de soja
02 kg de feijão preto
01 pct de massa com ovos ninho
01 pct de massa com ovos parafuso
01 pct de bolacha Maria
01 kg de sal refinado
01 extrato de tomate 370 gr..
01 pote de schmier 400 gr..
01 gelatina
02 pacotes de café Melita 250 gr..
01 pct de polentina
01 lt de ervilha
½ kg de erva mate
½ kg de farinha de mandioca
01 pct de suco

– Brinde 01 gelatina

– Valor: R$ 138,00

SACOLA ECONÔMICA  MESASUL
Entregue na sua Residência. Faça seu pedido na Secretaria de Finanças do sindicato

CESTA BÁSICA MESASUL – LIMPEZA ECONÔMICA
04 rolos de papel higiênico Paloma F.simples – 30 mt
03 sabonetes de 90 Gr – YPE Segredo das Flores
02 barras de sabão Campeão c/glicerina de 400 Gr
02 creme dental ICE CLEAN MENTA de 90 gr
01 detergente líquido Girando Sol – neutro 500 ml
01 Detergente em pó 1 Kg ASSIM TRIPLAÇÃO
01 Esponja de Aço Assolan c/8
01 Desinfetante Girando Sol Pinho 500 ml
01 Desinfetante AQUAFAST MULTIUSO ORIGINAL 500 ml

– Valor: R$ 30,00

SACOLA ESPECIAL MESASUL
10 KG de arroz polido Casa Bem tipo 1
05 kg farinha trigo tipo especial PANFACIL
07 kg de açúcar refinado da BARRA
02 kg de feijão Mesaboa TIPO 1
04 Latas de Óleo de soja 900ml LEVE PET
02 pct massa espaguete Isabela 500 gr
01 pct de massa parafuso Isabela 500 gr
01 Café MELITTA 500 grs
01 Kg sal Daiana
01 extrato de tomate Bonare SACHE 350 gr
02 pct. Biscoito Bauducco Levissimo Crak 200 gr
01 pct. Farinha de milho média Siloti 1 Kg
01 pct. Biscoito MARIA Isabela 400 gr
02 gelatina cereja Bretzke 30gr
01 Doce em massa da Serra – Abobora 400 gr
02 Achocolatado Nescau 400 gr

– Valor: R$ 160,00

(Os preços da Mesasul foram atualizados em 13/05/2020)

ASSOCIE-SE AO SINDICATO E TENHA ACESSO A ESTES E MAIS DE 100 CONVÊNIOS E BENEFÍCIOS, INCLUINDO COLÔNIA DE FÉRIAS, CARTÃO VEX – MASTERCARD, CLÍNICAS MÉDICAS E ODONTOLÓGICAS.

 

 

SINDICATO VAI PEDIR MEDIAÇÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO NA NEGOCIAÇÃO DA CONVENÇÃO COLETIVA

Tribunal está realizando audiências por videoconferência

Tribunal está realizando audiências por videoconferência



A assessoria jurídica do Sindivigilantes do Sul vai ingressar, nesta semana, com um pedido de mediação da Justiça do Trabalho na negociação da Convenção Coletiva de Trabalho 2020-2021. Em todas as assembleias realizadas, a categoria rejeitou a proposta patronal.

Desde então, a negociação com o Sindicato das Empresas de Segurança Privada (Sindesp) não evoluiu, porque os empresários insistem com a mesma proposta, ou seja, nenhum índice de reajuste. Nem sequer a reposição da inflação, que ficou em 4,30% na data-base da categoria (1º de fevereiro).

As empresas continuam oferecendo apenas um abono mensal, que chamam de “prêmio de assiduidade”, de cerca de R$ 100,00, que não repercute no piso salarial e demais valores recebíveis, como 13º, horas extras, adicional noturno, periculosidade, férias, adicional de uniforme, FGTS, que continuariam os mesmos.

Esse valor seria pago aos vigilantes com até duas faltas ao trabalho, no máximo. “Pelo que temos conhecimento, o Rio Grande do Sul é o único estado, neste ano, onde as empresas estão tendo essa postura, de não oferecer nenhum índice de reajuste”, disse o presidente do Sindivigilantes, Loreni Dias.

Diante disso, o sindicato vai buscar na Justiça do Trabalho uma mediação que possa solucionar o impasse com entidade patronal. O Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4) também está com atividades presenciais suspensas, mas existe a possibilidade das audiências serem realizadas por videoconferência.

Tão logo haja uma resposta do TRT ou alguma outra novidade informaremos a todos, aguardem.

MAIORIA DOS DEPUTADOS GAÚCHOS VOTOU A FAVOR DA MP 905 QUE TIRA DIREITOS EM MEIO À PANDEMIA

Carteira do trabalho



A maioria dos deputados federais do Rio Grande do Sul votou a favor da Medida Provisória (MP) nº 905/2019, que cria a “carteira verde e amarela” e foi aprovada por 322 votos a 153 na calada da noite desta terça-feira (14).

Dos gaúchos, houve 18 votos favoráveis, 10 contrários e três ausentes. A votação foi pela internet. Veja abaixo como votou cada parlamentar gaúcho.

A matéria segue agora para análise do Senado. Caso não seja votada até a próxima segunda-feira (20), a MP 905 caduca e perde validade.

Vergonha

“Trata-se de uma vergonha. Em vez de aprovarem medidas para proteger os trabalhadores e salvar vidas diante da pandemia do coronavírus, a maioria dos deputados se curvou aos interesses dos empresários gananciosos e oportunistas para tirar ainda mais direitos trabalhistas, retirar dinheiro da Previdência, diminuir a renda da classe trabalhadora e aumentar a pobreza, a miséria e a exclusão social”, critica o presidente da CUT-RS, Amarildo Cenci.

Carteira verde e amarela

A MP 905 cria a carteira verde e amarela, flexibilizando direitos trabalhistas e contribuições sociais para baratear a contratação de jovens de 18 a 29 anos e trabalhadores com mais de 55 anos.

O salário será de até 1,5 salário mínimo. As empresas serão isentas da contribuição previdenciária (20%), reduzindo a arrecadação do INSS, e das alíquotas do Sistema S (de 0,2% a 2%).

A multa de 40% do FGTS em caso de desligamento será diminuída para 20%.

Poderão ser contratados com a carteira verde e amarela até 25% dos trabalhadores da empresa.

Bancários

A MP 905 restringe a jornada de seis horas dos bancários aos que operam exclusivamente no caixa, podendo ser prorrogada até 8 horas diárias, não excedendo 40 horas semanais.

Estarão liberadas aos sábados, domingos e feriados as atividades de automação bancária, teleatendimento, telemarketing, serviço de atendimento ao consumidor, ouvidoria, áreas de tecnologia, segurança e administração patrimonial, atividades bancárias de caráter excepcional ou eventual e em feiras, exposições ou shopping centers e terminais de ônibus, trem e metrô.

Resistência

A oposição resistiu e tentou adiar a votação da MP 905, sendo que PSB, PT, PDT e Psol entraram em obstrução. Por conta disso, a sessão durou quase 10 horas.

O texto considera acidente de trabalho no percurso casa-emprego somente se ocorrer no transporte do empregador.

Acordos e convenções de trabalho devem prevalecer sobre a legislação ordinária, súmulas e jurisprudências do Tribunal Superior do Trabalho (TST) e de tribunais regionais do trabalho, exceto se contrariarem a Constituição Federal.

Foi retirado o dispositivo que estendia o trabalho aos domingos e feriados a todas as categorias e mantido o pagamento do abono do PIS/Pasep somente com a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil, desistindo de estender a todos os bancos privados.

ATENÇÃO – PROCESSOS JUDICIAIS

Justiça



Alertamos à categoria para só considerar como oficiais e verdadeiras as informações sobre processos judiciais do sindicato que forem publicadas no site da entidade.

Desconsiderem qualquer informação que não tenha sido divulgada através do nosso site, mesmo que venha de algum diretor ou até mesmo do presidente. Só assim podemos evitar informações desencontradas ou inverídicas.

Neste sentido, a respeito das ações coletivas contra a empresa JOB, que são várias, o jurídico da entidade está à disposição para responder aos questionamentos dos favorecidos, podendo enviar email ao sindicato que imediatamente encaminhará para a sua assessoria jurídica.

Como sempre acontece, havendo liberações de recursos, faremos a divulgação aos beneficiários. Pedimos aos interessados que aguardem, até porque vivemos tempos de suspensão dos prazos judiciais em razão da calamidade publica decorrente da pandemia.

Loreni Dias – Presidente
Sindivigilantes do Sul