Vigilante pede ajuda para projeto social que atende crianças carentes

Sílvio e o professor Luciano, com o presidente Dias ao centro: eles querem atender mais crianças

Sílvio e o professor Luciano, com o presidente Dias ao centro: eles querem atender mais crianças



O vigilante Sílvio Lemes é monitor no projeto social Gurizada, que atende cerca de 60 crianças e adolescentes carentes, de quatro a dezessete anos, de vários bairros de Porto Alegre. De segunda a quinta-feira, todas as noites, eles praticam jiu-jitsu gratuitamente, com o professor Luciano Ribeiro, no salão de festas da Associação dos Funcionários da Carris, no Partenon.

Sílvio e Luciano estão pedindo a ajuda dos vigilantes para aumentar o tamanho do tatame, que é montado com várias peças de um metro quadrado e vinte centímetros cada. Hoje eles têm 90 peças e precisam conseguir pelo menos mais 30 peças, para ampliar o projeto. Eles disseram ao presidente Loreni Dias, no sindicato, que o objetivo é conseguir atender mais 30 crianças no projeto.

Os dois contam que que muitas vezes eles mesmos buscam a criançada em casa, nos seus próprios carros, em lugares como vilas Bom Jesus, Mário Quintana e Lomba do Pinheiro. Já houve casos de crianças que viviam em situação de risco mas, com a ajuda do projeto, conseguiram superar suas dificuldades e, agora, disputam títulos importantes neste esporte, conta Luciano.

Um dos meninos, inclusive, tornou-se atleta da Sogipa e disputa o campeonato brasileiro de jiu-jitsu na sua categoria. Para ajudar o Projeto Gurizada, quem tiver uma ou mais placas de tatame que não esteja usando ou queira comprar alguns para doar, deve fazer contato com o professor Luciano, pelo telefone (51) 985-922-422. O custo é de R$ 60,00 a R$ 70,00 cada peça.

Por fim, Sílvio e Luciano convidam os vigilantes que quiserem praticar o jiu-jitsu, no mesmo local, a entrar em contato para combinar os dias da prática.

 

Vigilantes da capital decidem continuar lutando por avanços e contra a perda de direitos

Assembleias foram no auditório do Sindipolo, pela manhã e noite

Assembleias foram no auditório do Sindipolo, pela manhã e noite



WhatsApp Image 2018-04-23 at 20.27.37 site 1

Nas assembleias realizadas na capital pelo Sindivigilantes do Sul nesta segunda-feira (23), pela manhã e à noite, no auditório do Sindipolo, a categoria reafirmou sua total rejeição à proposta patronal. Também manifestou a disposição de continuar lutando contra a perda de direitos que os patrões pretendem impor ao tentar enxertar várias cláusulas com conteúdo da reforma trabalhista na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).

A proposta das empresas cria vários tipos de jornadas novas, prejudiciais aos trabalhadores, inclusive redução e fracionamento de intervalos, prejuízo nas férias, entre outros problemas. Quanto aos valores, continua tudo na mesma: 2,81% de reajuste dos salários e R$ 19,23 o vale-alimentação. Veja a íntegra no link.

assembleia IMG-20180424-WA0007 site

Empresas não estão fazendo os repasses

O presidente Loreni Dias, pela manhã, denunciou que a maioria das empresas descontou mensalidades, contribuição assistencial e convênios dos trabalhadores e não estão repassando ao sindicato: “Estamos atrasando todas nossas obrigações porque as empresas não estão fazendo os repasses”, afirmou. É uma forma que o patronato encontrou de pressionar o Sindivigilantes a assinar a convenção como eles querem.

Mas o sindicato não vai ceder, garantiu Dias: “Eu não vendo dissídio coletivo, essa direção (do sindicato) não tem preço, quando eu assinar é porque vocês autorizaram”, disse o presidente. O advogado Arthur Dias Filho, da assessoria jurídica, explicou que última proposta recebida oficialmente, por escrito, da entidade patronal (Sindesp) não trouxe nenhum avanço em relação à anterior, rejeitada pela categoria em assembleia.

WhatsApp Image 2018-04-23 at 20.32.52 site 2

Denúncia ao Ministério Público do Trabalho

Ele acrescentou que o Sindivigilantes do Sul e os demais sindicatos do estado que se uniram na campanha salarial, 12 no total, já denunciaram esta situação no Ministério Público do Trabalho, sexta-feira. Todos estão com a mesma posição, de não aceitar perda de direitos. Ao mesmo tempo, estão sofrendo retaliações das empresas que não repassam as mensalidades que descontam dos vigilantes. Apenas os sindicatos de Santa Maria e Santa Cruz do Sul aceitaram assinar a proposta patronal.

À noite, a assembleia foi dirigida pelo diretor jurídico, Gérson Farias, uma vez que o presidente Dias precisou viajar para São Luiz, onde tem assembleia hoje. O presidente da Conlutas, Érico Corrêa, e o presidente do Sindicato dos Vigilantes de São Leopoldo, Moisés Machado, falaram no início, trazendo seu apoio aos vigilantes da capital.

WhatsApp Image 2018-04-23 at 21.00.31 site 3

Participação da Comissão

Membros da comissão eleita para acompanhar as negociações disseram que querem colaborar participando das próximas reuniões que acontecerem com a patronal. Neste sentido, o presidente informou que já foi protocolado um documento no Sindesp comunicando a presença do grupo no próximo encontro.

“Nós votamos numa comissão para acompanhar a negociação e para dar transparência à negociação, não para negociar sozinha com o Sindesp”, ressaltou o vigilante Paulo Éverton, na assembleia da noite.

“Não podemos aceitar essa proposta que querem nos impor goela abaixo, estamos tendo um retrocesso muito grande com essa reforma trabalhista que o Paulinho da Força e outros políticos aprovaram”, disse um dos integrantes da comissão, Sebastião Resoli dos Santos.

“A hora é agora, se nós não lutarmos vamor ter um grande prejuízo e vamos sentir muito isso”, completou. Depois, vários vigilantes que compareceram elogiaram o debate produtivo, os esclarecimentos feitos e o espírito democrático das assembleias. A rodada de encontros continua hoje com assembleia em São Luiz Gonzaga e termina amanhã em Santo Ângelo, com a presença do presidente Dias e a diretora Elisa Araújo.

– São Luiz Gonzaga -24/04 (3ª f.) – 19h
Local: Sind. da Alimentação – R. Rui Ramos, 1322 – Centro

– Santo Ângelo – 25/04 (4ª f.) – 19h
Local: R. Andradas, 1611, Centro

Esclarecimento sobre atraso

A secretária do Sindipolo, senhora Raquel, pediu desculpas pelo atraso na abertura do auditório pela manhã, que estava marcada para as oito horas. Segundo ela, seu esposo teve um problema de saúde e precisou ser levado a uma emergência, no início da manhã.

SINDICATOS DENUNCIAM PRESSÃO E TRUCULÊNCIA DA PATRONAL

comunicado-importante site



Os sindicatos abaixo-assinados vêm denunciar à categoria a postura truculenta e ilegal dos patrões dentro da campanha salarial em andamento. Para pressionar os sindicatos, as empresas não estão repassando aos sindicatos os valores relativos às mensalidades e convênios que são descontados dos vigilantes.

É uma atitude abusiva, ilegal, que caracteriza conduta ANTISSINDICAL, pois estão se apropriando de um dinheiro que é do trabalhador – tudo como represália aos sindicatos por não terem ainda assinado a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) de 2018 do modo que as empresas querem.

A patronal está inconformada porque os sindicatos resistiram à proposta vergonhosa e inaceitável que fizeram, com inúmeras cláusulas que retiram direitos fundamentais da categoria. Resolveram partir para a retaliação, querem quebrar os sindicatos, mas nós não nos intimidaremos e nos recusaremos a assinar uma convenção que represente uma traição à categoria.

Estão propondo, por exemplo que o intervalo poderá iniciar uma hora após o começo da jornada ou uma hora antes do final. Querem que o vigilante bancário e da escala 12×36 trabalhem no fim de semana para complementar jornada. Querem que as férias possam iniciar em dia de feriado ou domingo; querem permitir a adoção de toda e qualquer escala de trabalho, à livre escolha do patrão.

Realmente, os sindicatos ficam em situação financeira muito difícil sem os repasses das mensalidades e convênios passando a acumular dívidas, mas nós não vamos ceder, não aceitamos proposta que retire direitos dos trabalhadores. Já estamos denunciando os fatos ao Ministério Público do Trabalho (MPT), mas precisamos contar com o apoio e a mobilização da categoria. Vamos vencer!

NÃO ACEITAMOS PRESSÃO E NEM PROPOSTA INDECENTE DE PATRÃO. VAMOS À LUTA, VIGILANTES. PARTICIPEM DAS ASSEMBLEIAS, UNIDOS SOMOS FORTES!

1- Sindivigilantes do Sul

2- Sindicato dos Vigilantes de São Leopoldo

3- Sindicato dos Vigilantes de Pelotas

4- Sindicato dos Vigilantes de Lajeado

5- Sindicato dos Vigilantes de Uruguaiana

6- Sindicato dos Vigilantes do Alto Uruguai

7- Sindicato dos Vigilantes de Livramento

8- Sindicato dos Vigilantes de Alegrete

9- Sindicato dos Vigilantes de Guaíba

10- Sindicato dos Vigilantes de Ijuí

11- Sindicato dos Vigilantes de Rio Grande

12- Sindicato dos Vigilantes de Caxias do Sul

Assembleias de mobilização começam hoje (4ª f.), em Mostardas

assembleia GERAL você não pode faltar



Tem início nesta quarta-feira (18) a rodada de assembleias convocadas pelo Sindivigilantes do Sul para mobilização da categoria na campanha salarial que está em andamento.

Serão seis encontros no total: Mostardas (18/4ª), Charqueadas (19/5ª), Camaquã (20/6ª), Porto Alegre (23/2ª), São Luiz Gonzaga (24/3ª ) e Santo Ângelo (25/4ª). Veja ao final o calendário completo, com os locais.

A negociação com a patronal chegou num impasse e a situação é grave, porque as empresas não mudaram em praticamente nada a sua proposta.

Veja no link a íntegra da proposta patronal.

Assim como está, com várias cláusulas que retiram direitos e prejudicam os vigilantes, o sindicato entende que não pode haver acordo. Por exemplo, a redução do intervalo para 30 minutos que, ainda por cima, pode começar apenas uma hora após o início da jornada.

É preciso a participação de todos e todas para discutir a situação e decidir como mobilizar a categoria neste momento. Só com uma grande mobilização vamos conseguir avançar.

Calendário das assembleias:

1- Mostardas – 18/04 (4ª feira) – 19h
Local: Câmara Municipal – R. XV de Novembro, 648, Mostardas

2- Charqueadas – 19/04 (5ª feira) – 19h
Local: Câmara Municipal – R. Rui Barbosa, 999, Charqueadas

3- Camaquã – 20/04 (6ª. f) – 19h
Local:  Sind. do Comércio – Rua Cristóvão Gomes de Andrade, 791, Centenário, Camaquã.

4- Porto Alegre – 23/04 (2ª feira) – Primeira sessão: 8h. Segunda sessão: 19h30
Local: Sindipolo, à Av. Júlio de Castilhos, nº 596/8º andar, Centro, Porto Alegre.

5- São Luiz Gonzaga -24/04 (3ª f.) – 19h
Local: Sind. da Alimentação – R. Rui Ramos, 1322 – Centro

6- Santo Ângelo – 25/04 (4ª f.) – 19h
Local: R. Andradas, 1611, Centro

NINGUÉM PODE FUGIR DA LUTA. COMPAREÇA, LEVE SEUS COLEGAS, PARTICIPE!

DIRETORA RECEBE MEDIDA PROTETIVA E TEM APOIO DO SINDICATO

Lei Maria da Penha 1 site



Tomamos conhecimento de áudios altamente ofensivos à diretora Elisa Araújo no whatsapp, divulgados pelo seu ex-companheiro Ricardo Flores da Rocha, vigilante, um sujeito irresponsável, inconsequente, que terá que responder criminalmente por isso. Anteriormente, ele já tinha perseguido e ameaçado a diretora em seu local de trabalho.
 
Foi feito Boletim de Ocorrência na Delegacia da Mulher, onde ela foi encaminhada ao Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM). Ela também solicitou e recebeu a Medida Protetiva do Poder Judiciário com base na Lei Maria da Penha, ficando proibido o referido indivíduo de qualquer aproximação da vítima, da sua residência e do seu local de trabalho.
 
Ele também não poderá manter nenhum tipo de contato com ela, inclusive por telefone ou outro meio eletrônico, o que poderá acarretar na sua PRISÃO. O despacho é assinado pela juiza Madgéli Frantz Machado.
 
Além disso, qualquer pessoa que compartilhar o conteúdo dos referidos áudios nas redes sociais estará sujeito a processo judicial, da mesma forma que o acusado.
 
O sindicato é totalmente solidário e assegura todo o apoio necessário à honra e integridade pessoal da nossa diretora. Assim como apoiamos qualquer colega vigilante que se encontre na mesma situação, sofrendo com a violência verbal ou física de indivíduos desqualificados, que não conseguem esconder o seu deplorável machismo e falta de caráter.
 
Por ter tido o seu nome envolvido, o presidente Loreni Dias também está tomando as providências cabíveis ao caso.
 
Sindivigilantes do Sul – 17/04/2018

VIGILANTES DA SECRETARIA DA AGRICULTURA PROTESTAM CONTRA ATRASO DE SALÁRIOS DA CAMARGO & CAMARGO

Dirigentes do sindicato levaram o seus apoio aos trabalhadores

Dirigentes do sindicato levaram o seus apoio aos trabalhadores



Dirigentes do Sindivigilantes do Sul foram ao posto da Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul, na capital, nesta sexta-feira (13), levar o apoio do sindicato aos vigilantes que tinham decidido paralisar suas atividades.

Eles ainda não receberam da Camargo & Camargo o pagamento do salário do mês, vale-alimentação e vale-transporte. Os diretores Adão Ferreira da Silva, Luiz Paulo Motta e o apoio Luiz Carlos Borges intercederam junto ao gestor do contrato, pedindo providências urgentes.

O gestor, sr. Marcos,  fez contato com a empresa solicitando urgência no pagamento, mas pediu aos vigilantes que não paralisassem as atividades ainda, por causa da feira que acontece nos finais de semana no pátio da secretaria.

Os trabalhadores concordaram em aguardar até segunda-feira, quando o gestor fará nova conversação com a direção da Camargo & Camargo, para que recebam logo os seus vencimentos.

Lembramos que a mesma empresa tem atrasado os pagamentos também no Sanatório Partenon.  O sindicato continuará acompanhando esta situação e apoiando os vigilantes na busca dos seus direitos3

NÃO ASSINAREMOS CONVENÇÃO QUE TIRE DIREITOS

Comunicado_Aviso_Importante



Vigilantes, estamos aqui para informar e esclarecer aspectos sobre a nossa campanha salarial. Como todos sabem, em novembro do ano passado tiramos, nas assembleias da categoria, a nossa pauta de reivindicação. Nesta pauta, entregue à patronal, como não poderia ser diferente, pedimos avanços e, fundamentalmente, a manutenção de nossos direitos.

Mas, já na primeira resposta da patronal, veio chumbo grosso. Foram as empresas, através do Sindesp, que quiseram impor a sua própria pauta, com mais de 90 cláusulas, que na sua maioria atacam os nossos direitos.

Desde a primeira rodada de negociações com o Sindesp, deixamos claro à categoria que a proposta da patronal era MUITO RUIM, porque acaba com direitos importantes, cria vários tipos de jornadas novas, prejudiciais aos trabalhadores, inclusive redução e fracionamento de intervalos, prejuízo nas férias, entre outros. E, talvez o mais grave, a patronal quer que o sindicato assine uma convenção onde este concorde que, daqui para frente, não vale mais a lei, a jurisprudência, as decisões judiciais, mas só o que estiver na convenção, na convenção DELES!

É do conhecimento de todos que já tivemos assembleias onde a proposta patronal foi rechaçada, por unanimidade. Se não fechamos a CCT até hoje, é porque, obviamente, não concordamos com ela! Nossa assessoria jurídica, inclusive, deu parecer contrariando 85% das cláusulas apresentadas pelo Sindesp. Aliás, recentemente recebemos mais uma contraproposta da patronal que não alterou EM NADA a proposta anterior.

Porém, o mais lamentável, digníssima categoria, é que alguns opositores da atual direção, alguns dissidentes, alguns que nem fazem mais parte da categoria, estão aproveitando a campanha salarial para entupir as redes sociais de intrigas, de maldades, de boatos e de mentiras. Um deles chegou a dizer, em dezembro ou janeiro, que a convenção já estava assinada pelo sindicato. Pra que essas mentiras? Com qual objetivo? Deixamos que a inteligência de cada membro da categoria responda a essa pergunta!

Mas não nos assustamos com estes maldosos, dissidentes, rábulas que querem protagonismo político neste delicado momento do nosso pais. Confiamos na inteligência, na sensibilidade do vigilante, dos membros da categoria, que certamente não cairão no conto destes impostores, oportunistas e irresponsáveis, que ainda não admitem a derrota de suas ideias.

É momento de união, mas o que se vê, numa minoria esquizofrênica, é o ódio, a disputa política a qualquer preço, até na campanha salarial. Não sucumbiremos às maldades desta minoria. Seguiremos firmes em nossa campanha salarial e NÃO ASSINAREMOS uma convenção que tire direitos da categoria. Denunciaremos ao Ministério Público as práticas ilegais, iremos à Justiça se necessário for, para defender a nossa categoria, o que, aliás, é o nosso fundamental papel.

Mas precisamos que você, membro da categoria, vigilante, também faça o seu papel, vindo às assembleias, participando, protestando contra todo este ataque aos direitos trabalhistas e previdenciário que os governos, parlamentares e até mesmo alguns setores do poder judiciário têm promovido.

Aos opositores do sindicato, mesmo aqueles que sequer trabalham mais na categoria, aqueles que tiram licenças para ter tempo de atacar a entidade, aqueles que só estão fazendo política por que têm a pretensão de se candidatar a vereador, temos um recado: PAREM e olhem para a realidade, pois aí constatarão quanta pobreza e mentira há em suas palavras, em suas atuações. A categoria é inteligente, a categoria está vendo isso!

Muita coisa, de tão absurda, nem nos damos o trabalho de responder, porque o foco do sindicato não são estes impostores e sim, você, VIGILANTE, que acorda cedo e dorme tarde, que luta diariamente pelo sustento da família. Na semana que vem teremos novas notícias para vocês, pois segunda-feira (16) haverá uma reunião, da qual participarão vários sindicatos e advogados, quando tiraremos uma grande agenda de mobilizações e de estratégias para alcançarmos uma convenção de trabalho DIGNA. Aguarde novas notícias e participe das assembleias. Avante na luta e sempre VIGILANTES!

Sindivigilantes do Sul – 13/04/2018

TEREMOS VALE-GÁS DE VOLTA, EM BREVE

Compras serão com desconto em folha

Compras serão com desconto em folha



Uma boa notícia para os associados e associadas do sindicato. Está tudo muito bem encaminhado para que o Sindivigilantes do Sul volte a ter convênio para o vale-gás, que foi suspenso há alguns meses por dificuldades da distribuidora da Ultragaz.

A empresa teve que fazer uma mudança no sistema, que funcionava com blocos de notas. Agora, passará a funcionar de forma eletrônica, com máquina de cartão.

Segundo a diretora Cristilorem Luz, que fez a negociação com a empresa, o novo sistema estava em testes e poderá ser implementado no sindicato em uma ou duas semanas, no máximo.

A compra deverá ser nos mesmos moldes de antes, com desconto em folha e entrega do gás na casa do vigilante pela empresa.

Informaremos assim que o novo sistema começar a funcionar, aguarde.

ATENÇÃO PARA ASSEMBLEIA DE MOBILIZAÇÃO NA PRÓXIMA SEMANA!

Não aceitamos proposta que só tira direitos, afirma Dias

Não aceitamos proposta que só tira direitos, afirma Dias



Desde a última reunião de negociação, dia 13 de março, a entidade patronal (Sindesp) enrolou muito e não avançou nada, nenhum milímetro, na sua proposta aos sindicatos que participam da campanha salarial unificada. Diante disso, o Sindivigilantes do Sul decidiu não esperar mais e está convocando assembleia de mobilização da categoria na próxima semana na capital e interior. Veja as datas ao final.

“Não teve avanço nenhum na pauta patronal e nós já avisamos às empresas que não vamos nos curvar para uma proposta que só tira direitos dos trabalhadores”, afirma o presidente do Sindivigilantes do Sul, Loreni Dias. “O Sindivigilantes do Sul não assina, de forma alguma, uma convenção coletiva nos moldes que já foi assinado pelos sindicatos de Santa Maria e Santa Cruz do Sul, que venderam os direitos da categoria”, acrescenta Dias.

Ele denuncia que, para tentar quebrar a resistência do sindicato, as empresas estão cumprindo as ameaças que tinham feito, ou seja, não estão repassando as contribuições que já descontaram dos vigilantes e nem sequer as mensalidades dos sócios. Por isso, frente à truculência e às cláusulas abusivas que as empresas estão tentando impor à categoria, outra medida do sindicato será solicitar a mediação do Ministério Público para expor toda essa situação.

Por exemplo, entre as cláusulas consideradas inaceitáveis está o intervalo reduzido para 30 minutos, com a possibilidade de que seja fracionado em duas vezes e, ainda por cima, com início do intervalo uma hora após o início da jornada ou antes do final da mesma. Quanto aos índices, na última reunião de negociação a patronal havia apresentado 2,81% de reajuste dos salários e R$ 19,23 o vale-alimentação. Nada disso mudou.

Um dado positivo é que outros sindicatos estão se juntando ao grupo que está fazendo a negociação unificada. Agora, além do Sindivigilantes do Sul, Pelotas, São Leopoldo, Lajeado e Uruguaiana, também os sindicatos de Alegrete, Alto Uruguai e Guaíba estão juntos nessa que é a mais importante campanha salarial da história dos vigilantes. Seus dirigentes estarão reunidos na próxima segunda-feira para decidir medidas conjuntas a serem tomadas.

Estas são as datas já definidas das assembleias, aguarde para amanhã mais informações sobre locais e horários.

18/04 – Camaquã
19/04 – São Jerônimo
20/04 – Mostardas
23/04 – Porto Alegre (manhã e noite)
24/04 – São Luis ou são Borja
15/04 – Santo Ângelo

A situação é muito delicada e é fundamental a união e mobilização da categoria. Temos decisões muito importantes a tomar.  Mobilize seus colegas e compareça!

 

ATENÇÃO VIGILANTES DO PROCESSO DA PAMPA/PREFEITURA DE CANOAS

Plantão Jurídico



O Departamento Jurídico do Sindivigilantes do Sul avisa que a reunião com o advogado Jorge Young, para tratar do processo trabalhista da Pampa/Prefeitura de Canoas, será dia 19 de abril, quinta-feira da semana que vem, às 19h, no Sindicato dos Metalúrgicos de Canoas. O endereço é na Rua Caramuru, nº 330, no Centro da cidade. É muito importante a presença de todos e todas.

Quem não puder comparecer deve providenciar a presença de um familiar para representá-lo (a). Levar cópia da Carteira de Trabalho: páginas da foto, da filiação e da contratação pela empresa. Em caso de dúvida, ligar para o sindicato e pedir para falar com a funcionária Jaqueline, do DJ: (51) 3224-4545 ou 3225-5070.

Por favor, ajude a avisar seus colegas compartilhando esta informação. Obrigado!