Arquivo da tag: Sindivigilantes do Sul

FISCALIZAÇÃO DO SINDICATO ENCONTRA DIVERSAS IRREGULARIDADES EM POSTOS DE CAMAQUÃ

Presidente Dias e diretora Elisa, no IFSUL

Presidente Dias e diretora Elisa, no IFSUL



Em visita a Camaquã, atendendo a denúncias anônimas, a fiscalização do Sindivigilantes do Sul confirmou diversas irregularidades, nesta quarta-feira. O presidente, Loreni Dias, e a diretora Elisa Araújo encontraram problemas principalmente na empresa MW Segurança, que atende o posto do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSUL).

A empresa está descontando no contracheque dos trabalhadores, irregularmente, um valor correspondente ao pagamento de um “seguro mensal”, que é uma obrigação da própria empresa. Além disso, não estão pagando a troca de uniforme e nem o intervalo de uma hora, os vigilantes estão recebendo apenas 30 minutos, sendo que trabalham sozinhos, sem rendição, e fazem suas refeições no próprio posto.

Também está fazendo um desconto indevido sobre o contrato de 220 horas, alegando que a escala 12 x 36 não completa a carga horária mensal prevista. No entanto, o contrato de trabalho prevê o pagamento integral das 220 horas.

Por fim, o presidente e a diretora tomaram conhecimento que a MW estaria pressionando seus trabalhadores para que não se associem no sindicato. Inclusive, há uma publicação antissindical na página da empresa no Faceook.

Como a MW já foi notificada diversas vezes, por denúncias parecidas, estas questões serão todas encaminhadas à Assessoria Jurídica, para análise e providências junto à Justiça do Trabalho. “Já estamos atuando para corrigir essas irregularidades, eles são reincidentes, por isso vão receber uma atenção especial da nossa Assessoria Jurídica”.

Outras irregularidades

Camil – Na Camil Alimentos, também em Camaquã, posto da Rudder, trabalha um vigilante por turno, realizando tarefas além das suas funções, como controlar a entrada e saída de caminhões e conferir planilhas.

Os trabalhadores ainda cumprem várias escalas, como 5 x 1 das 06h às 13h e das 15h às 19h, 4 x 2 das 13 às 15 e das 17h até meia-noite e 6 x 1 da meia-noite às seis da manhã.

 

Dias e Elisa_Santander_site

 

Santander – No Santander, atendido pela Epavi, trabalham apenas dois vigilantes que são obrigados a fazer almoço às 09h ou após 16h. O presidente Dias teve uma forte discussão com o gerente da agência, que não vê problema nenhum nisso, embora a convenção coletiva de trabalho estipule claramente o intervalo de almoço entre 10h e 15h.

Sem contar que, como são apenas dois vigilantes, nenhum pode se afastar do posto sequer para ir ao banheiro, já que a legislação determina um mínimo de dois presentes nas agências o tempo todo.

Corsan – Neste posto da Seltec os vigilantes não têm guaritas, ficam ao relento.

Banrisul – Os vigilantes da Mobra no banco ainda não receberam o retroativo, valores que ficaram para trás, da convenção coletiva, que tem data-base em 1º de fevereiro.

Com exceção da MW, que terá sua situação encaminhada diretamente para a Assessoria Jurídica, nos demais casos o sindicato vai fazer contato com a direção das empresas, buscando resolver os problemas mais rapidamente. Se isso não for possível, outras providências serão tomadas, disse o presidente.

Foto: Presidente Dias e Elisa no IFSUL

Greve Geral vai parar tudo no Rio Grande Sul nesta sexta-feira (14)

Centrais e movimentos sociais realizaram plenária de mobilização

Centrais e movimentos sociais realizaram plenária de mobilização



A unidade e mobilização das centrais sindicais e dos movimentos sociais irão parar o Rio Grande do Sul na greve geral de sexta-feira (14) contra a reforma da Previdência, em defesa da educação e contra o desemprego. Esse foi o sentimento dos participantes da plenária estadual, realizada no início da noite de segunda-feira (10), no auditório lotado do SindBancários, no centro de Porto Alegre.

Estiveram presentes dirigentes da CUT, CTB, UGT, CSB, Intersindical, CSP-Conlutas e CGTB. Também compareceram movimentos como MST, Marcha Mundial de Mulheres e Pastorais Sociais da CNBB, e organizações da juventude, como UNE, UEE, UJS, Umespa, Levante Popular da Juventude e coletivos de jovens do PT e PSol, dentre outras.

O presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, destacou o crescimento da mobilização no Estado nas últimas semanas. Vários sindicatos fizeram ou estão fazendo assembleias de trabalhadores para aprovar a adesão ao movimento. “Ninguém vai segurar os trabalhadores que estão decidindo parar para evitar o fim da aposentadoria, defender a educação e exigir geração de empregos”, afirmou.

Nespolo ressaltou a disposição de luta dos trabalhadores do setor de transporte. “Não somente irão parar os metroviários do Tensurb, mas também os rodoviários, que estão se manifestando favoráveis à greve geral, sobretudo depois das panfletagens das centrais que alertaram a categoria para “o fim da linha da aposentadoria especial, caso seja aprovada a reforma do governo Bolsonaro no Congresso”.

Os estudantes garantiram que estarão, desde a madrugada do dia 14, lado a lado com a classe trabalhadora na greve geral. Eles foram protagonistas ao tomarem duas vezes as ruas em maio. No dia 15, os jovens apoiaram a greve nacional da educação, marcada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), que parou o Brasil.

Dia 30, a juventude voltou a se manifestar após a convocação da União Nacional dos Estudantes (UNE), apoiada pelas centrais sindicais, contra os cortes de verbas para escolas, universidades e institutos federais.

Ato na Esquina Democrática

O presidente da CUT-RS anunciou que, no final da tarde do dia da greve geral, as centrais realizarão um ato, às 18h, na Esquina Democrática, com concentração a partir das 17h. O objetivo é potencializar o movimento de unidade das centrais e organizações sociais, na luta contra os retrocessos do governo Bolsonaro.

Fonte: CUT-RS

 

FAÇA SUA DOAÇÃO PARA A CAMPANHA DO AGASALHO 2019

Frio inverno_Canva site



Continuamos com a Campanha do Agasalho 2019, que visa recolher roupas, agasalhos, cobertores e calçados para pessoas carentes. As doações podem ser entregues no próprio sindicato, na sede, ou para um dos nossos diretores ou diretoras nos postos de trabalho.

Nos últimos anos o sindicato tem feito essa coleta, com muito apoio dos vigilantes e grande quantidade de doações. Esperamos que neste ano a campanha seja um sucesso novamente, contamos com a colaboração de todos e todas.

Faça sua doação. Há muitas pessoas precisando dessa ajuda para passar o inverno.

QUE TAL VOLTAR A ESTUDAR? AGORA TEMOS CONVÊNIO COM A UNIVERSIDAD ESTÁCIO DE SÁ

Presidente Dias, Rodrigo Casagrande, diretores Aguiar e Rosane

Presidente Dias, Rodrigo Casagrande, diretores Aguiar e Rosane



Voltar a estudar e cursar uma faculdade ficou mais fácil para os associados do Sindivigilantes do Sul. O sindicato firmou, esta semana, um novo convênio com a Universidade Estácio de Sá, uma das mais renomadas instituições privadas de ensino do País. Para os cursos de graduação, pós-graduação e MBA, o acordo prevê descontos de 40% nas mensalidades durante todo o curso, além do vestibular gratuito e matrículas sem custo nenhum.

A universidade oferece também financiamento próprio para os cursos. Enquanto o Prouni e o Fies, do Governo Federal, exigem consulta ao Serasa e fiador, o PAR – Parcelamento Estácio sem juros – não tem nenhuma dessas exigências e financia 70% do valor de cada curso.

Então, se uma faculdade tem 4 anos, ele pode ser pago em 8 anos, se tem 5, em 10, informa Rodrigo Casagrande, responsável pelos convênios da instituição. Ele foi recebido no sindicato pelo presidente, Loreni Dias, o diretor Luis Henrique Aguiar e a diretora Rosane Schmidt.

Há cursos a partir de R$ 125,00 mensais. Ciências Contábeis, por exemplo, custa R$ 642,71 mensais, mas pelo nosso convênio o valor fica em R$ 285 mensais e ainda pode ser financiado pelo PAR (70%). Quem faz a transferência de outras instituições para a Estácio ganha um desconto maior ainda, de 55%. . Todos os diplomas são reconhecidos pelo MEC, acrescentou.

Para conferir cursos e valores, clique aqui e veja na tabela. Os preços do convênio estão na faixa laranja.

48 anos de fundação

Com sede em São Paulo, a Estácio tem 48 anos de fundação, com 90 unidades, em 26 estados e o Distrito Federal. Apresenta 44 cursos com as melhores notas em seus estados, 184 cursos com as notas 4 e 5 – notas máxima de avaliação do Inep/MEC.

No RS, ela está presente em 25 municípios, incluindo a capital. Apenas em Porto Alegre são oferecidos mais de 70 cursos, nas modalidades presencial, Ensino à Distância (EAD ) e Flex (semi-presencial). Sua sede está localizada na Rua Marechal Floriano, 626, no Centro Histórico da capital.

Casagrande ressalta que o corpo docente é muito qualificado e o material didático gratuito e atualizado. E tem também a Estácio Carreiras, uma facilidade oferecida pela universidade, que recebe informações de vagas de muitas empresas e tem uma ferramenta no seu site para os alunos encaminharem os seus currículos para emprego

Como usar o convênio:

  • O associado, primeiro, precisa se inscrever na universidade. Para isso tem duas opções. A primeira é pelo link: http://inscricoes.estacio.br/parceiro . Vai aparecer uma opção “Parceiro”, no espaço em branco abaixo digitar o código: 18713.
  • A outra opção de inscrição é diretamente com o responsável pelo convênio na Estácio, Rodrigo Casagrande, pelo WhatsApp: (51) 985-101-522.
  • Inscrição pelo site ou call center invalida a condição do desconto do convênio.
  • Depois de feita a inscrição, venha ao sindicato pegar a autorização e encaminhamento para o desconto no valor das mensalidades.
  • O convênio é válido também para cônjuges e dependentes.
  • Para mais esclarecimentos, falar com o contato na universidade, pelo WhatsApp acima.

EM APOIO À GREVE GERAL, DIA 14 NÃO HAVERÁ EXPEDIENTE NO SINDICATO

Diretora Elisa Araújo, divulgando a greve em Tramandaí

Diretora Elisa Araújo, divulgando a greve em Tramandaí



O Sindivigilantes do Sul está comprometido com a mobilização para a greve geral do dia 14 de junho e está fazendo a divulgação, com o carro de som, da paralisação que promete parar o Brasil contra a reforma da Previdência. Neste sentido, o presidente Loreni Dias avisa que não haverá expediente no sindicato no dia da greve, sexta-feira da próxima semana.

“No dia 14, todos os trabalhadores e trabalhadoras devem apoiar a greve, principalmente os vigilantes, porque essa reforma do governo não combate os privilégios, como prometeram, ela acaba, isto sim, com a aposentadoria especial da nossa categoria, torna muito mais difícil a aposentadoria de todo mundo e vai jogar os aposentados na miséria”, afirmou Dias.

Nesta segunda-feira (03), aconteceu uma audiência pública da Comissão Especial da Reforma da Previdência da Câmara dos Deputados, na Assembleia Legislativa, em Porto Alegre. O curioso é que não apareceu ninguém para defender a proposta do governo.  Foi um festival de críticas de deputados e dirigentes sindicais às mudanças que Bolsonaro quer implementar.

O presidente da Comissão Especial, deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM), chegou a perguntar se alguém queria defender a reforma, mas ninguém se apresentou> Ninguém teve coragem de defender algo tão absurdo e prejudicial ao povo brasileiro.

Já o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, disse que a audiência fortaleceu a luta contra a reforma e a preparação da greve geral.  “Temos que parar tudo no dia 14 de junho para derrotar essa proposta desumana do governo”, afirmou.

JUSTIÇA IMPÕE LIMITE PARA DESCONTOS DE CARTÃO NO SALÁRIO DE VIGILANTE

Salário



Numa ação judicial movida pela assessoria jurídica do Sindivigilantes do Sul, a juíza do Trabalho
Luciana Caringi Xavier, da 7ª Vara do Trabalho de Porto Alegre, decidiu limitar a, no máximo, 35% do salário de um vigilante o desconto em folha que a empresa onde trabalha pode fazer, para o pagamento de um cartão de crédito.

Esse vigilante, que não vamos identificar, estava com praticamente todo seu salário comprometido para o pagamento das parcelas do cartão da bandeira Mastercard, que é oferecido pela empresa aos funcionários.

No contracheque de abril, do salário de R$ 1.500,04 que tinha a receber, esse trabalhador teve descontados do cartão na folha de pagamentos R$ 1.498,00.

Embora tivesse ainda os adicionais de periculosidade e de troca de uniforme, com mais alguns
descontos em folha, ele ficou com ZERO a receber no contracheque. Porém, o vigilante procurou o sindicato e agora tem a garantia do pagamento da maior parte do seu salário, pelo menos.

Descontos abusivos

O advogado Maurício Vieira, do escritório Young, Dias, Lauxen & Lima Advogados Associados, responsável pela assessoria jurídica do sindicato, explicou que a ação foi movida, com pedido de antecipação de tutela (deferida), visando a proteção do salário do vigilante contra os descontos abusivos que vinham sendo praticados.

A petição inicial argumenta que a empresa, “oferece e incentiva” o uso do cartão aos seus empregados “sem, contudo, informar os limites de desconto em folha e sem autorização do trabalhador” para o desconto.

”Este cartão cobra taxas extremamente abusivas de mais de 400%”, afirma o documento. A assessoria jurídica ressaltou que, por isso, o vigilante encontrava-se em situação de miserabilidade, sem condições de garantir a sua subsistência, da esposa e quatro filhos.

Foi ressaltado ainda que o desconto exorbitante é ilegal, pois a Lei 10.820 e o artigo 477 da CLT determinam que a soma dos descontos referentes a despesas ou saques por meio de cartão de crédito não pode ultrapassar 35% da remuneração do trabalhador.

Ao impor esse limite nos descontos, a juíza Luciana Caringi Xavier afirmou na sua decisão que: “O salário possui caráter alimentar, consagrado pelo parágrafo 1º do artigo 100 da Constituição Federal de 1988, sendo verba alimentar para a própria subsistência do trabalhador e seus dependentes. Logo, não é possível o desconto de 100% da remuneração devida ao autor, ainda que eventual dívida existente iguale ou ultrapasse este montante”.

Vigilante, não abra mão dos seus direitos. Se achar que está sendo prejudicado em seu trabalho, procure a nossa assessoria jurídica.

CORTES NA EDUCAÇÃO DEVEM AFETAR DIRETAMENTE A SEGURANÇA PRIVADA

Nesta quinta-feira (30), novamente, aconteceram grandes manifestações no País todo contra os cortes, como em São Paulo (foto)

Nesta quinta-feira (30), novamente, aconteceram grandes manifestações no País todo contra os cortes, como em São Paulo (foto)



Por Amaro Pereira da Silva – diretor da CNTV e presidente do Sindicato dos Vigilantes de Barueri.

O corte de cerca de 30% nos recursos das universidades federais – anunciado pelo governo nomês de abril – deve impactar diretamente a segurança privada. Isso porque a redução será aplicada em despesas discricionárias, que incluem gastos como contas de água, luz, aquisição de material básico, contratação de terceirizados (segurança,inclusive) e realização de pesquisas.

O valor total contingenciado, considerando todas as universidades, é de R$ 1,7 bilhões. O motivo do corte, segundo o ministro da Educação, Abraham Weintraub, é uma tal “balbúrdia” que ocorre nos Campi. Hoje, boa parte da segurança em universidades públicas e privadas é realizada por empresas de segurança. O trabalho dos vigilantes inclui a identificação e análise de riscos de segurança e definição de diretrizes para ação e prevenção.

O vigilante planeja, opera e controla tudo o que se relaciona à proteção da instituição e dos indivíduos. O corte na educação deve implicar na demissão de centenas de vigilantes que atuam nas unidades de ensino e no fechamento de postos de trabalho. Ainda não há dados oficiais. Mas o prejuízo não deve ser pequeno.

Lição a ser aprendida

No dia 13 de março deste ano Guilherme Taucci Monteiro e Luiz Henrique de Castro, ambos ex-alunos da Escola Estadual Professor Raul Brasil, no município de Suzano, entraram na escola e mataram cinco estudantes e duas funcionárias. Após o massacre, um dos atiradores matou o comparsa e em seguida cometeu suicídio.

A tragédia reacendeu o debate sobre a importância de haver mais segurança em escolas e universidades para proteger nossas crianças, adolescentes, jovens e professores.

Se houvesse vigilantes na Escola Professor Raul Brasil talvez o resultado fosse diferente.  Entretanto, mesmo diante de um incidente tão grave como o de Suzano parece que não aprendemos a lição. Justamente no momento em que se deveria aumentar o investimento
na educação e priorizar a segurança, o governo fala em fazer cortes.

A escolha por esse caminho se mostra muito ruim. E se o caminho é ruim o resultado não tem como ser bom. Ou cuidamos do que realmente importa ou estaremos fadados a sucessivos fracassos e tragédias.

Fonte: CNTV

 

WHATSAPP DO ESCRITÓRIO DA ASSESSORIA JURÍDICA PARA INFORMAÇÕES

Whtasapp Young site



Além de vir na sede ou ligar para o sindicato a fim de saber informações sobre os seus processos, os vigilantes agora podem também fazer contato via WhatsApp com o escritório Young, Dias, Lauxen & Lima Advogados Associados, responsável pela assessoria jurídica do Sindivigilantes do Sul.

É muito importante enviar por escrito (evite áudio) o nome completo, com a grafia correta, o número do CPF e, se tiver, o número do processo, bem como a empresa e o posto onde presta ou prestava o serviço. Mande mensagem para (51) 9-9581-5548 e peça sua informação.

NOTA DE FALECIMENTO

luto site



Profundamente chocada, a direção do Sindivigilantes do Sul lamenta a morte violenta da vigilante Letícia Rosa dos Santos, de 30 anos, quarta-feira, em Gravataí, onde residia. Ela foi encontrada morta, com golpes de faca no pescoço, em mais um caso de feminicídio, conforme tudo indica. O ex-marido está sendo procurado, como principal suspeito do crime, dizem as notícias da imprensa. Letícia trabalhava na empresa Lince, no posto do Dmae, era muito estimada por todos (as) e deixa três filhos, de 5, 9 e 11 anos, que não estavam em casa no momento da ocorrência. É revoltante que casos assim ainda aconteçam nos dias de hoje, vitimando uma jovem trabalhadora, que apenas queria viver em paz, trabalhar e educar seus filhos. Infelizmente, a violência contra as mulheres ainda é uma realidade no nosso meio, por isso, nunca é demais falar desse assunto e enfrentar essa situação, a sociedade precisa reagir contra isso. O sindicato espera que o crime seja apurado o mais rapidamente possível. Ao mesmo tempo, todos nós da diretoria nos solidarizamos com a família, seus amigos, amigas, e colegas. Recebam os nossos mais sinceros sentimentos e o nosso abraço de conforto e apoio. Justiça para Letícia!

CUT E CENTRAIS REFORÇAM UNIDADE PARA A GREVE GERAL CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA, DIA 14

Mobilização já é grande para a greve que vai parar o País

Mobilização já é grande para a greve que vai parar o País



 

A CUT-RS e as centrais sindicais decidiram ampliar a mobilização no Estado para a greve geral de 14 de junho contra a reforma da Previdência, durante plenária realizada na manhã desta quarta-feira (29), que lotou o auditório do SindBancários, em Porto Alegre.

No encontro, também foi reafirmada a decisão de voltar às ruas com estudantes e professores, nesta quinta-feira (30), contra os cortes na educação. Haverá um ato, às 18h, na Esquina Democrática, no centro da capital gaúcha.

Presidente Dias compareceu à plenária

Presidente Dias participou da plenária

O encontro contou com a participação de dirigentes e entidades filiadas à CUT, CTB, Força Sindical, CGTB, CSP-Conlutas, Intersindical e CSB, além de movimentos sociais, como MST e Pastorais Sociais da CNBB. O presidente Loreni Dias participou, representando o Sindivigilantes do Sul.

Fim da linha para a aposentadoria dos rodoviários

O presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, denunciou que “a reforma da Previdência é cruel com os trabalhadores em condições insalubres”. Neste sentido, ele ressaltou que “a proposta de Bolsonaro é o fim da linha para a aposentadoria especial dos rodoviários”. Também os vigilantes perdem a sua aposentadoria especial.

Os metroviários decidiram que vão parar na greve geral e avisaram na plenária: “Não haverá trem dia 14”. Outros sindicatos já agendaram assembleias, como os bancários e os trabalhadores dos Correios. “Vai parar tudo”, projeta o presidente da CUT-RS.

As centrais também estão dialogando com os caminhoneiros, que estão igualmente se mobilizando para paralisar no dia 14. Todos saíram da plenária muito decididos a aumentar a mobilização nas próximas duas semanas, para barrar a proposta de reforma da Previdência de Bolsonaro (PEC 06/2019), que representa o fim do direito à aposentadoria de milhões de trabalhadores e trabalhadoras.

Veja por quê:

  1. Ela acaba com a aposentadoria por tempo de contribuição e impõe a obrigatoriedade da idade mínima de 65 anos para os homens e 62 para as mulheres.
  2. Aumenta o tempo mínimo de contribuição de 15 anos para 20 anos.
  3. Muda o cálculo do valor do benefício para reduzir o valor pago pelo INSS: os trabalhadores vão receber apenas 60% do valor do benefício.
  4. Para ter direito à aposentadoria integral (100% do benefício), o trabalhador e a trabalhadora terão de contribuir por pelo menos 40 anos.
  5. Também prejudica quem já é aposentado, porque exclui da Constituição Federal a regra da reposição anual da inflação para os benefícios acima do salário mínimo. E mais: desvincula os valores dos benefícios do salário mínimo. Isso quer dizer que o benefício vai valer cada vez menos.
  6. Acaba com qualquer possibilidade de aposentadoria especial de categorias como os rodoviários e vigilantes.
  7. A proposta adota o sistema de capitalização, que seria uma espécie de poupança individual de cada trabalhador para sua futura aposentadoria. Porém, atualmente, o sistema é solidário: o trabalhador, o governo e as empresas contribuem para cobrir os benefícios de quem está aposentado. Mas, no sistema de capitalização, empresas e governo não vão contribuir com mais NADA.
  8. Ainda sobre a capitalização, nela o dinheiro dos depósitos dos trabalhadores vai para os bancos, que cobram taxas de administração. Na prática, isso rende menos que a poupança, como já se viu em outros países.
  9. Conforme relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT), dos 30 países que adotaram o tal sistema de capitalização, 18 já desistiram dele, voltaram atrás porque foi um fracasso. E outros estão tentando modificá-lo, como no Chile, Mèxico, Colômbia e Peru, pois deixa os aposentados na miséria.
  10. No Chile, com esse sistema implantado na ditadura de Pinochet, mais de 80% dos aposentados recebem apenas meio salário mínimo ou até menos. Por isso, o país tem hoje o maior número de suicídios na América Latina, principalmente de idosos.
  11. Assim como aconteceu no Chile, aqui os militares também não vão ser atingidos pela reforma. Se é mesmo boa, porque não vale para todos?

Para saber mais sobre o modelo de capitalização, clique aqui.

Para saber mais sobre a Reforma da Previdência, clique aqui.

Fontes: CUT Nacional, CUT-RS, União Gaúcha em Defesa da Previdência Social e Pública.

REAJA, PARTICIPE, LUTE POR SUA APOSENTADORIA!