GHC ESPERA DOCUMENTOS DA LÍDER PARA PAGAR OS VIGILANTES DIRETAMENTE

Foto: O presidente , o diretor Sílvio Ravanel e o advogado Maurício Vieira, da assessoria jurídica

Foto: O presidente , o diretor Sílvio Ravanel e o advogado Maurício Vieira, da assessoria jurídica



Em reunião com a direção do sindicato, na manhã de hoje, representantes do Grupo Hospitalar Conceição (GHC) prometeram pagar diretamente os vigilantes da Líder Vigilância Ltda., com o dinheiro de faturas bloqueadas da empresa.

Os trabalhadores estão sem receber vale-alimentação e vale-transporte há dois meses, além de férias atrasadas e reciclagens vencidas, que muitos denunciam. Os salários também vêm sendo pagos com atrasos.

Para colocar tudo em dia, o Gerente de Materiais do GHC, Rogério Seleda da Silva, enviou ofício à Lider requerendo, no prazo de cinco dias, a documentação necessária para poder pagar os vigilantes.

No documento, com data do dia 26, o GHC requer da empresa o seguinte:

  • Os valores pendentes referentes a salários líquidos, vale-transporte e vale-alimentação.
  • Planilha, conforme modelo enviado, com os valores a pagar de todos os funcionários que prestam serviço para o contrato no GHC.
  • Planilha dos valores relativos ao mês de agosto, referentes a salários líquidos, vale-alimentação e vale-transporte.
  • Folhas de pagamento de agosto e cartões-ponto de todos os funcionários.

Na verdade, a Líder tem três contratos com o GHC: um do Hospital Cristo Redentor, outro da Central de Logística e o terceiro do programa de saúde da família. Os representantes da instituição não souberam informar quantos são os vigilantes e o número de postos onde trabalham.

Apelo aos vigilantes

O gerente garantiu que vai fazer os pagamentos tão logo receba esses papeis, mas fez um apelo aos vigilantes para que não faltem ao serviço: “Queremos os postos funcionando 24 horas por dia e vamos pagar por isso”, afirmou Rogério Seleda.

Multas desde 2017

Na reunião com o presidente do sindicato, Loreni Dias, o diretor Sílvio Ravanel e o advogado Maurício Vieira, da assessoria jurídica, Rogério Seleda adiantou que já está em andamento uma licitação para escolha de outro empresa de vigilância.

Segundo ele, desde 2017 a Líder vem sofrendo multas por descumprimento dos contratos.

A fim de que não falte dinheiro para o pagamento dos trabalhadores, o advogado Maurício Vieira sugeriu que o GHC primeiro use o dinheiro das faturas para os créditos dos vigilantes. Do que sobrar, então, sejam cobradas as multas da empresa.

Alerta para limite da Conta Fácil

Um alerta importante aos vigilantes: a Conta Fácil da Caixa Econômica Federal, que muitos movimentam, tem o limite de R$ 3 mil.

Nesses casos, deve ser indicada outra conta para o recebimento dos atrasados do GHC, pois no caso de valores acima desse teto o crédito retorna. Ou, então, o valor a ser creditado terá que ser parcelado.