APOIO DO SINDICATO AO VIGILANTE QUE SOFREU ATAQUE NO SANTANDER

 

Bandidos levaram a arma do vigilante

Bandidos levaram a arma do vigilante                       (Foto: Sindbancários)

Nesta quinta-feira (21), às 08h15, a agência do Santander Select, na Avenida Goethe, sofreu uma tentativa de assalto. Um vigilante, que era o primeiro do turno a chegar, foi atacado por três bandidos que levaram a sua arma, após desistirem de assaltar o banco. O diretor do sindicato Sílvio Ravanel deslocou-se até a agência a fim de prestar assistência ao colega vigilante, mas o mesmo estava bem, não sofreu nenhum ferimento, além de um grande susto. Também compareceram diretores do Sindicato dos Bancários que foram averiguar as circunstâncias do ocorrido. O vigilante foi levado à DP, onde prestou depoimento, enquanto a agência permaneceu fechada o dia todo.

Mobra promete pagamento de diferença da periculosidade em 48 horas

Faltou dinheiro no pagamento dos vigilantes

Faltou dinheiro no pagamento dos vigilantes

Depois de notificada pelo sindicato, na tarde de hoje (21), a direção da Mobra Serviços de Vigilância prometeu pagar, no prazo de 48 horas, a diferença de R$ 80,00 no valor da periculosidade que está devendo aos seus vigilantes. Neste mês, a empresa pagou o valor antigo da periculosidade, causando prejuízo no bolso dos trabalhadores.

O diretor jurídico Gérson Farias conta que, logo ao ser constatado o problema, o sindicato havia conversado com o sr. Jairo, o chefe de recursos humanos da empresa. Ele havia garantido que seria gerada uma folha complementar para o pagamento daquele valor no dia de hoje (21).

Num primeiro contato, a Mobra orientou os vigilantes a ligarem para o SAC da empresa, mas os trabalhadores ficavam pendurados na ligação e ninguém resolvia o problema. Diante disso, os diretores Mariza Abrão e Carlos Schio apresentaram uma notificação à empresa, exigindo a regularização imediata desta situação.

Com a garantia do chefe de recursos humanos, os trabalhadores deverão receber até sábado, no máximo, o dinheiro que a empresa lhes deve em sua conta bancária. Caso contrário, segunda-feira o sindicato deverá tomar uma atitude mais forte, alertou o diretor jurídico do sindicato.

REUNIÃO SOBRE SITUAÇÃO DOS TRABALHADORES DOS CORREIOS SERÁ SEGUNDA-FEIRA (25)

Contratos de segurança privada para banco postal estão sendo encerrados

Contratos de segurança privada para banco postal estão sendo encerrados

Foi marcada para segunda-feira (25), às 18 horas, na Assembleia Legislativa, a reunião da Frente Parlamentar em Defesa dos Correios Públicos. O encontro será na Sala Maurício Cardoso, 4º andar.

Vão participar os trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (EBCT) e também os vigilantes, que estão com seus empregos ameaçados porque estão sendo encerrados os contratos de segurança privada nas agências que têm o Banco Postal.

Também foram convidados para a reunião os representantes do Ministério Público do Trabalho, do Ministério Público Estadual, da empresa, entre outros. O tema que será tratado é “A precarização dos serviços dos Correios e a falta de segurança para o trabalho”.

A Frente Parlamentar foi instalada na Assembleia Legislativa no dia 21 de agosto, com apoio do Sindivigilantes do Sul. O nosso sindicato considera muito importante que a categoria compareça nesta reunião, pois são muitos empregos de vigilantes que estão em jogo.

A diretoria e apoios do Sindivigilantes estarão lá. Defenda o seu emprego, compareça, participe!

Foto: Vigilantes do Banco Postal estão com empregos ameaçados

Vigilantes registram queixa contra cliente de banco por difamação no facebook

Agência já foi atacada por assaltantes

Agência já foi atacada por assaltantes

Dois vigilantes (vamos manter os nomes em sigilo) da agência Rio Branco da Caixa Econômica Federal na Av. Guilherme Shell, em Canoas, registraram Boletim de Ocorrência na 4ª DP contra um cliente, sexta-feira. No dia anterior, eles foram fotografados por esse cliente quando registravam com o celular a presença de um veículo suspeito, com placas de outro estado, que rondava a agência, para alertar a Brigada Militar.

Na mesma agência já aconteceram cinco saidinhas de banco e uma tentativa de assalto que foi impedida pelos vigilantes. Este cliente fez a foto dos dois, enquanto um fotografava a placa do carro e outro informava a BM por rádio, e fez uma postagem no facebook atacando a imagem dos vigilantes: “Se vão perder o emprego é merecido, esse tipo de gente só serve para tirar vaga de profissionais”, escreveu.

O sindicato soube disso e os diretores Gérson Farias e Carlos Schio foram à agência, onde orientaram os vigilantes a fazer boletim de ocorrência por exposição indevida da imagem, sem consentimento. O fato pode, inclusive, suscitar pedido de reparação por dano moral na Justiça.

RSDC faz feira para vigilantes em Tramandaí

RSDC

A RSDC Artigos Militares estará amanhã (sábado) na Subsede de Tramandaí do sindicato para venda de seus produtos aos vigilantes da região. Das 09h às 13h, estarão expostos para venda coletes táticos, coletes modulares, camisetas, cinturões, coturnos, coldres, calças, gandolas, mochilas, entre outros. As compras poderão ser feitas com desconto em folha. A subsede do Sindivigilantes do Sul fica localizada na Avenida Fernandes Bastos, 728, 2º andar, no Centro da cidade.  Compareça, estaremos à sua espera.

Cadastro para o Minha Casa Minha Vida pode ser feito no sindicato

 

A corretora vai atender no sindicato às quintas-feiras

A corretora vai atender no sindicato às quintas-feiras

A partir de hoje (14), sempre às quintas-feiras, estará no sindicato a corretora Denise Ramirez para repassar informações e fazer o cadastro dos vigilantes interessados em adquirir a casa própria pelo programa Minha Casa Minha Vida, do governo federal. Ela atende das 09h30 às 16h30.

Não há custos pelo cadastro, pois a remuneração da corretora virá da incorporadora com quem for negociado o imóvel, posteriormente. Denise cadastra os interessados (as) e leva as fichas para as incorporadoras, que fazem a triagem e o encaminhamento à Caixa Econômica Federal (CEF).

Após análise dos documentos, a CEF chama os mutuários selecionados, num prazo de 25 a 30 dias, no máximo. Podem se candidatar trabalhadores com renda de R$ 1.000,00 a cerca de R$ 2.000,00. Podem ser adquiridos imóveis na planta ou concluídos, na capital e diversas cidades da Grande Porto Alegre.

O candidato a uma casa pelo programa precisa ter carteira assinada há três anos, pelo menos, mas pode ser de empregos diferentes. O FGTS disponível é usado para abater no valor do imóvel, que tem mensalidades menores que o valor de um aluguel. Para mais informações, vir ao sindicato às quintas-feiras ou ligar para a Denise: (51) 9 8438-5817 e 9 98408-0518.

Fiergs faz pagamento direto para vigilantes da Código

 

Departamento Jurídico ingressou com ações na Justiça do Trabalho

Departamento Jurídico ingressou com ações na Justiça do Trabalho

Na terça-feira (12), a Federação das Indústrias (Fiergs) efetuou o pagamento, direto na conta bancária, dos salários e verbas rescisórias em atraso dos vigilantes da Código, que abandonou o posto do Serviço Social da Indústria (Sesi), há alguns meses.

Os trabalhadores ficaram sem receber nada, mas o sindicato intercedeu e solicitou à direção da Fiergs, por ofício, que quitasse os débitos de forma direta, como acabou acontecendo. A Código abandonou também os postos da Fepps (Saúde), Defensoria Pública da União (DPU), Incra, Sesi, Demhab, Iphan (Patrimônio Histórico) e Ibram (São Miguel das Missões).

O Departamento Jurídico do sindicato atuou com firmeza e, com a participação dos diretores Marlon Costa, Mariza Abrão, Fabiano Sanhudo, Ivo Carioca e Carlos Schio, buscou o pagamento direto do contratante aos vigilantes em todos esses locais.

Processos judiciais

O sindicato ainda abriu processos judiciais cobrando os pagamentos em relação à Código e Fepps, Incra, Demhab e FGTAS. No Iphan tudo já foi pago, diretamente, salários e rescisões de todos os trabalhadores. Na Fepps o assunto está em discussão ainda,com faturas bloqueadas pela Secretaria da Saúde.

Quanto ao Incra, as faturas estão bloqueadas pelo órgão e o processo judicial tem audiência marcada para  o dia 02 de outubro, quando será solicitado ao juiz a antecipação das verbas rescisórias e todos os atrasados: salários, multas, VTs, VAs, e outros créditos a serem recebidos.

Em relação à DPU, desde junho é o sindicato que está fazendo as folhas para o pagamento direto dos vigilantes. O contrato foi encerrado dia 10 de setembro e foram feitos os termos de rescisão. O sindicato aguarda a nota fiscal da Código dos meses de agosto e setembro para que a DPU possa quitar as verbas rescisórias.

REUNIÃO DOS CORREIOS FOI ADIADA PARA DIA 25 DE SETEMBRO

Contratos de segurança privada para banco postal estão sendo encerrados

Contratos de segurança privada para banco postal estão sendo encerrados

A reunião que iria tratar da demissão de vigilantes e do desmonte da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (EBCT), entre outros temas, foi transferida do dia 15 para o dia 25 de setembro, segunda-feira, na Assembleia Legislativa. O motivo foram dificuldades na agenda dos deputados convidados.
O Sindivigilantes do Sul considera muito importante que a categoria compareça nesta reunião, pois são muitos empregos de vigilantes que estão em jogo. Muitos já foram demitidos no país, porque os correios estão encerrando os contratos de vigilância privada no banco postal, que presta serviço ao Banco do Brasil nas agências da EBCT.

Sindivigilantes do Sul – 13/09/2017

CONVÊNIO COM CLÍNICA DE FISIOTERAPIA EM SÃO JERÔNIMO

Clínica oferece descontos muito bons para vigilantes

Clínica oferece descontos muito bons para vigilantes

O sindicato firmou convênio com a Fisioterapia Jacuí, clínica de São Jerônimo que oferece descontos muito bons aos associados do Sindivigilantes do Sul. O pagamento pode ser com desconto em folha para fisioterapia, massoterapia e drenagem linfática, mediante autorização da secretaria de finanças. O valor será descontado integralmente. A clínica está localizada na Rua Osvaldo Aranha, 191, no centro da cidade. Mais informações na subsede (3651-1636) ou com o apoio do sindicato na região, Eduardo Blauth (9749-6223).

Sindicatos querem anulação de exigência da Portaria 387

Medida prevista na norma é inconstitucional, dizem os sindicatos

Medida prevista na norma é inconstitucional, dizem os sindicatos

O inciso VI do artigo 109 da portaria nº 387/2006 da Polícia Federal determina que, para o exercício da profissão, o vigilante deve comprovar que não possui “registros de indiciamento em inquérito policial e/ou estar sendo processado criminalmente”. A exigência se aplica mesmo que não exista ainda trânsito em julgado (sentença final, da qual não cabe mais recurso).

Por iniciativa do Sindivigilantes do Sul, com mais cinco sindicatos – São Leopoldo, Pelotas, Santana do Livramento, Uruguaiana, Lajeado – foi encaminhada solicitação à Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV) para que seja ajuizada Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) visando anular este item da portaria.

Ele é muito prejudicial à categoria porque o simples fato ter instaurado inquérito contra si ou estar se defendendo em eventual processo, sem ser ainda declarado culpado, impede qualquer vigilante de realizar o curso de reciclagem e até mesmo de exercer a profissão.

Os sindicatos argumentam que “Portaria é ato infralegal, não podendo, pois, restringir direitos”. Nem por lei essa restrição poderia ser imposta, porque afronta o princípio da presunção da inocência, previsto no artigo 5º da Constituição Federal, onde consta que: “Ninguém será considerado culpado até trânsito em julgado de sentença penal condenatória”.