PRESIDENTE DIAS PROCESSA OPERADORA TIM POR DANO MORAL

Assembleias do interior vão continuar acontecendo, afirma Dias

Assembleias do interior vão continuar acontecendo, afirma Dias



O presidente do Sindivigilantes do Sul, Loreni Dias, está ingressando com ação judicial por dano moral contra a operadora telefônica Tim Celular. Através de telefone cadastrado em nome do presidente Dias, foram encaminhadas, pelo WhatsApp, mensagens ofensivas e ameaças contra sua ex-companheira e terceiros, com o propósito específico de denegrir sua imagem e gerar situações fáticas inexistentes e constrangedoras.

Ocorre que Dias sempre negou a autoria dos fatos, tendo afirmado inúmeras vezes que o cadastramento do  telefone celular pré-pago foi feito por terceiros com o propósito de prejudicá-lo pessoal e politicamente. Na época, inclusive, foram divulgadas nas redes sociais imagens do presidente, sob o título “Procurado”, e outras de teor semelhante.

Em decorrência desses fatos,  Dias, ainda, ficou preso durante 15 dias. Ele sempre declarou-se inocente, negando todas as acusações que lhe foram imputadas.

Agora, em ofício dirigido à autoridade judicial, a empresa TIM CELULAR informa, em outras palavras,  que o cadastramento de telefone celular pré-pago pode ser efetuado por qualquer pessoa, inclusive à revelia do cadastrado, bastando simplesmente a informação do número do CPF da pessoa a ser cadastrada. Refere, também, que esse procedimento pode ser realizado por tele atendimento, onde não há assinatura de contrato ou a apresentação de qualquer comprovante documental referente à pessoa cadastrada.

A referida circunstância já havia sido demonstrada pela defesa de Dias no curso da investigação. Em outras palavras, segundo o advogado do presidente Dias, Marcelo Bidone, significa dizer que não há nenhum elemento probatório que aponte que Dias houvesse praticado qualquer infração penal, ficando ainda mais evidente a tese de que houve uma armação para prejudicá-lo.

“A Tim fez um cadastro de terceiro sem a autorização expressa de Dias, isso configura dano moral e na forma que foi realizado mostra a fragilidade do sistema da empresa, pois dessa maneira qualquer um pode fazer um cadastro no nome de outra pessoa com a finalidade de imputar-lhe um crime”, comentou o advogado Bidone.

Dias declarou que se sente aliviado com mais essa evidência de que não era dele aquele número e nem partiram dele as tais ameaças: “Eu disse que a verdade ia aparecer e as provas de que esse telefone nunca foi meu estão aí, quem fez essa armação não tem vergonha de fazer uma pessoa inocente passar 15 dias na prisão, mas vão ter que responder por isso mais adiante”, afirmou o Presidente, salientando que os vigilantes fiquem atentos às tentativas que estão sendo feitas para denegrir sua imagem perante a categoria.