DIRETORES FISCALIZAM EPIs DOS VIGILANTES NA FASE

Motta, à esquerda, Pedroso e Adão confirmaram denúncias

Motta, à esquerda, Pedroso e Adão confirmaram denúncias



Os diretores Luiz Paulo Motta, vice-presidente, Adão Ferreira da Silva e Jorge Luis Pedroso compareceram na Fundação de Atendimento Sócioeducativo do Rio Grande do Sul (Fase), terça-feira (27), a fim de confirmar denúncias anônimas de que os vigilantes da empresa MW, responsável pelo posto, estão trabalhando com Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) sem condições de uso e prazo de validade vencido.

O que os diretores encontraram é muito preocupante, como balísticos com prazo de validade vencida, munição também e armas sem manutenção, ou seja,os vigilantes encontram-se em situação de risco de vida com esses equipamentos. O gestor do contrato, Vladimir Silva de Freitas, que é chefe do Núcleo de Serviços foi comunicado e pediu um prazo para contatar a empresa e solicitar a regularização dessa situação.

Além disso, o sindicato ouviu também a reclamação de que os trabalhadores, que cumprem a escala 12 x 36, estão sendo obrigados a fazer a compensação de 12 horas no final de semana para completar. O sindicato entende que isso é ilegal, não tem previsão na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), e a empresa será notificada para que regularize esta situação o quanto antes.